Little bottles of joy

Desistir (às vezes) é preciso

By on julho 25, 2016
desistir às vezes é preciso

Vou te revelar um grande segredo: desistir é permitido. E necessário algumas vezes! Eu demorei a entender isso, principalmente porque sempre gostei de dizer “que a palavra desistir não fazia parte do meu vocabulário”. Isso não é coisa de gente persistente, é coisa de gente teimosa. E vamos combinar que teimosia é burrice, na maioria das vezes.

Quando terminei o livro “Como eu era antes de você” sozinha no meu quarto e aos prantos, não questionei em nenhum momento a decisão do Will (sem spoilers, eu juro!). É triste, mas fazia todo sentido. Tempo depois, quando as luzes do cinema se acenderam e, na pequena sala, estava rolando uma espécie de “pranto coletivo” pelo mesmo motivo, o que mais ouvi foram lamentações por ele não ter mudado de ideia pela Lou e como era triste uma pessoa desistir. Por que?

Continue Reading

Little bottles of joy

10 conselhos realmente úteis que ninguém dá

By on julho 4, 2016

Recebemos conselhos a todo o momento. Como devemos nos vestir, nos comportar, trabalhar, nos relacionar ou guiar nossas vidas. Infelizmente, a maioria deles mais pioraram do que ajudam, além de parecer projeções frustradas de quem os dá.

O projeto Stuff no-one told me utiliza ilustrações divertidas, com um pouco de ironia e cheias de verdades, para falar de conselhos que realmente seriam úteis para nossa vida, mas que ninguém dá. Eu achei muito legal! Quem sabe algum deles não ajuda você 🙂

Continue Reading

Little bottles of joy

O poder da resiliência

By on junho 24, 2016

resiliencia 1

Discutindo com os meus alunos, da turma de MBA em varejo e negócios de moda, dias atrás sobre as mudanças do comportamento do consumidor e como o jornalismo de moda fica neste processo, chegamos à conclusão que comunicar hoje se tornou uma roleta russa. Não existem mais fórmulas ou ações seguras e comunicação “certa ou errada” tem as mesmas proporções.

Pensando em como ajuda-los a sobreviver e produzir bons trabalhos neste ambiente tão instável, sugeri o livro Adapte-se de Andrew Zolli e Ann Marie Healy. Um livro que tem me ajudado muito a entender estas mudanças e principalmente, o poder da resiliência.

Pensa comigo! Desde nosso descobrimento fomos educados e vivemos em uma estrutura hierárquica. De cima para baixo, onde os mais poderosos ou inteligentes guiam e a base – ignorante e idiota – segue. Foi assim na escola e é assim no trabalho. Vivemos um momento de ruptura porque esta estrutura ruiu!

Continue Reading

Little bottles of joy

Toothbrush: Você vai se surpreender com o novo clipe do Joe Jonas

By on maio 23, 2016

 

Para o lançamento do seu novo clipe Toothbrush, Joe Jonas convidou Ashley Graham, uma das modelos plus size mais famosas dos EUA, para ser seu “par romântico” interpretando um casal que acaba de juntar as escovas de dente e a mensagem pode interessar muito a você!

escova de dentes-joe-jonas-1

Pode ser que sua primeira pergunta seja: Joy, o que aconteceu com você para falar de Joe Jonas no blog? Bom, não sei! Depois que me peguei dançando Sorry repetidas vezes em um único dia não existe mais nenhuma lógica em minhas preferências musicais e confesso que esta música ficou bem gostosinha de ouvir. O que importa realmente é a mudança que esse menino está trazendo para a indústria musical e a influência MARAVILHOSA para meninas do mundo todo que são suas fãs.

Continue Reading

Little bottles of joy

Abrigo incentiva a aproximação entre cães e crianças com leitura

By on fevereiro 24, 2016

criancas-lendo-para-cachorros

Este é o tipo de post que dá gosto de escrever! Aquece o coração e dá uma pontinha de esperança que esse mundo ainda tem jeito!

O Shelter Buddies Reading Program é um programa criado pela Humane Society of Missouri, nos EUA, para ajudar cães traumatizados a interagir novamente com humanos. #coisalinda A instituição existe desde 1870 e sua principal missão é permitir que animais abandonados, negligenciados ou mal tratados tenham uma segunda chance. Eles são resgatados, recebem tratamento veterinário e participam de programas e treinamentos para que possam ser encaminhados para adoção.

Neste programa criado pela HSMO, crianças voluntárias, entre 6 e 15 anos, fazem um treinamento para entender a proposta do projeto e depois começam sua participação que funciona assim: Elas se sentam na frente dos espaços onde estão os cachorros e começam a ler um livro. Caso o cão se aproxime da criança respondendo ao estimulo, elas continuam a leitura.

O objetivo é criar empatia com o animal para que se acostume novamente com a presença de humanos, supere seus medos e possa ser recebido em um lar. Segundo o diretor do programa, Job Klepacki, a ideia é ajudar cachorros tímidos e medrosos a interagir com humanos sem forçar a interação física e observar os efeitos positivos que isso pode ter sobre eles.

Eu passei por isso em casa e sei como é difícil. Quando eu peguei minhas cachorras na rua, a Frida estava machucada, provavelmente por maus tratos. Ela não interagia com ninguém, vivia tremendo de medo e só ficava debaixo do carro. Foi preciso tempo, dedicação e muito carinho para se tornar essa gordinha cheia de amor de hoje. Ela ainda é muito desconfiada, mas se ela gostar de você, não sai do colo.

É para se derreter de amores com este vídeo do projeto <3


Saiba mais sobre o trabalho dessa ONG aqui 🙂

Continue Reading

Little bottles of joy

Ser simples

By on fevereiro 10, 2016

be-simpleCada dia que passa tenho mais certeza que nossa vida é feita de ciclos. Vivemos, crescemos, evoluímos e amadurecemos. Temos opinião e mudamos de opinião. Um ciclo que se fecha não significa que chegamos ao fim, na verdade, é um novo início e para começar de novo precisamos avaliar tudo que passou, aprender com as coisas ruins, guardar as coisas boas no coração e seguir.

Tenho vivido esse momento de iniciar um novo ciclo e posso dizer com sinceridade que é caótico. A gente questiona tudo e, muitas vezes, tudo que se acreditou uma vida inteira se desfaz como areia que escorre pelos dedos da mão.

Fomos criados em uma sociedade guiada pelo tempo onde temos a sensação de estar sempre atrasados. Uma cobrança que chega veloz por todos os lados exigindo que você seja coisas que nem tem certeza que quer ser ou que consegue ser. Não existe problema nenhum em não conseguir. Quando você consegue entender isso, você muda a sua vida!

Estude, faça uma faculdade, trabalhe, seja chefe, ganhe dinheiro, compre um apartamento, emagreça, seja saudável. Até coisas legais como a nova onda de ser empreendedor perde seu significado quando alguém olha para você e fala que hoje o mercado exige profissionais empreendedores. Não faz sentido!

Estamos tão preocupados em ter que deixamos de lado a essência de ser. Cada dia em que se aumenta essa velocidade do mundo esquecemos que vivemos com pessoas diferentes, com necessidades diferentes e sonhos completamente diferentes. “Emagreça 15 kg em 1 mês”, “deixe os homens aos seus pés”, “15 passos para alcançar o sucesso”, estas são algumas chamadas que encantam nossos olhos todos os dias em revistas e sites. Minimizamos nossos desejos em coisas tão genéricas e formas padrões para serem consumidas por todos, independente de quem sejam. Isso não é ser simples, é ser insano!

Neste meu novo ciclo comecei a questionar tudo isso e mesmo com todas as incertezas que surgem neste caminho ainda turvo a única certeza que tenho é que não quero guiar meus desejos pela cobrança, pela necessidade de ter. Eu escolhi sentir, ser guiada pelo caminho do amor e pela troca de experiência que só é permitida quando se está com pessoas. Quando se está conectada a pessoas. Quando se sabe ouvir as pessoas.

Desde quando comecei a trilhar esse novo caminho, meu maior desejo é conseguir ser mais simples. Descomplicar e tirar dos ombros todas as cobranças que mais pesam do que facilitam a caminhada. E então – por acaso – enquanto ouvia o rádio a caminho do trabalho me deparo com esse texto:

“Simplicidade não é pobreza, falta ou escassez. É equilíbrio. E ninguém é mais rico do que aquele que aprendeu a viver com equilíbrio. Às vezes a gente ouve alguém dizer que certa pessoa é muito simples. E com isso ela quer dizer que esta pessoa é pobre, ou que não tem tudo que alguém deveria ter. A gente até entende, mas fica com a sensação de que há algo errado neste modo de falar. Simplicidade não é problema, é coisa boa. O simples não é um coitado, é um bem-aventurado. O simples não vive abaixo da linha. Nem acima, o que às vezes é tão ruim quanto. Simplicidade é a capacidade de escolher equilibrar-se na linha, com sabedoria e contentamento. Por isso, o simples não deseja ser grande; esse é o soberbo. Mas também não deseja ser pequeno; esse é o complexado. O simples deseja apenas ser útil a todos e colher os frutos das sementes que lançar. Outra coisa: o simples não deseja o máximo; esse é o ganancioso. Também não deseja o mínimo; esse é o resignado. O simples deseja o necessário, pois quer apenas uma vida regalada, e não ser escravo de seus bens. Enfim, o simples não deseja saber tudo; esse é o pretensioso. Também não deseja saber nada; esse é o preguiçoso. O simples deseja saber viver, com fé, alegria e relacionamentos felizes.”

Parece tão simples, mas você já consegue viver assim? Eu ainda não, mas estou tentando dia após dia 🙂

Continue Reading